12/03/2014

Érico Veríssimo - Clarissa (resenha)

Romantismo e poesia em "Clarissa"


Clarissa é uma jovem de 13 anos que mora na pensão da tia enquanto estuda em Porto Alegre. Ela é uma jovem curiosa, descobrindo o mundo, a adolescência e a vida.

Não gosta muito de escola, sente saudades da fazenda em sua cidade natal, Jacarecanga e observa as pessoas que moram na pensão da tia e na vizinhança: Ondina, a infiel esposa de Barata; Amaro, o músico triste e contemplativo; o distraído major; a conservadora tia e seu desempregado marido; a família rica que mora ao lado e a viúva com o filho mutilado. Este último, Tonico, perdeu as duas pernas num acidente de bonde e sonha em marchar com exércitos. Frágil, acaba morrendo. Quanto a Amaro, este sempre contempla Clarissa, sua juventude, sua inocência, sua beleza aflorando da menina que vai se tornando moça. Clarissa faz 14 anos (e ganha permissão para usar salto alto) e passa na escola. O livro acaba com Clarissa voltando para Jacarecanga (e encontrar o primo Vasco) enquanto Amaro fica triste na pensão a pensar nela.

O QUE ACHEI

Li Clarissa aos 13 anos (a mesma idade da protagonista). Fiquei amando as obras de Érico Verissimo, desde então, e quis saber mais sobre Clarissa, a menina alegre e singela, que tinha muito de mim mesma... quis saber o que ocorreria a ela, quando encontrasse com seus amigos e com o primo Vasco, o 'Gato-do-Mato', rapaz arisco, selvagem, amuado... e bonito.

E por que Amaro ficara triste, quando ela partiu. Numa linguagem acessível, simples e ao mesmo tempo colorida, Erico Verissimo nos leva para o Brasil dos anos 30 (saudosos!), falando das dores e alegrias de um mundo cinza, que ia se apagando aos poucos (o mundo dos mais velhos), para ser tomado pelas cores e alegria da juventude (Clarissa e Vasco).



A continuação da história de Clarissa vem com MÚSICA AO LONGE, SAGA, UM LUGAR AO SOL. Todos falando dela, de Vasco, os sofrimentos dos jovens da época e sua busca pelo amor e pelo "lugar ao sol".

Uma linda saga, valeu a pena. Um misto de beleza, nostalgia e romantismo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente! Os bons comentários são os alimentos dos blogs...