27/11/2013

Paulo Setúbal - A Marquesa de Santos


Dona Domitila: Dama honesta e apaixonada ou vil mulher sem escrúpulos?

Quem não conhece essa figura deslumbrante do cenário imperial do Brasil? Nesse romance curioso, Paulo Setúbal nos pinta de uma maneira informal e engraçada a vida e as peripécias de Domitila, o mais famoso e prolongado amor de D. Pedro I.

"Domitila, a Titília, como lhe chamavam os de casa, era uma criaturinha perturbante, linda boneca de dezesseis anos, leve como pluma, botão de rosa pelo amanhecer. Tinha o talhe fino, a cinturinha breve, ar de graciosa petulância. Que primor de tentações! Os cabelos eram negros, profundamente negros, encaracolando-se num donaire petulante. Olhos também negros, negríssimos, dum fulgor líquido, que enchiam de quentura e brejeirice o moreno róseo de seu rosto. A boca, vermelha, muito úmida, a cavar ao lado, quando ela sorria, uma covinha gaiata, tentadora, que enlouquecia a rapaziada do tempo. E não foram poucos os que enlouqueceram!" [Trecho do livro]


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente! Os bons comentários são os alimentos dos blogs...