03/03/2013

Mary del Priore - A Carne e o Sangue

A Carne e o Sangue: Um embate entre a lascívia e o dever matrimonial do primeiro imperador do Brasil


AUTOR: DEL PRIORE, MARY
EDITORA: EDITORA ROCCO LTDA
ASSUNTO: HISTÓRIA DO BRASIL

Dividido entre uma princesa pura, leal e sofredora e uma mulher independente, forte e fogosa, Dom Pedro I viveu, paralelamente às convulsões que tornariam o Brasil independente de Portugal, uma vida pessoal igualmente complicada. Em A Carne e o Sangue, Mary del Priore procura retratar o triângulo amoroso que escandalizou a então insipiente sociedade brasileira com sua prosa em ritmo de romance, incluindo trechos de cartas da imperatriz e do imperador.

O QUE ACHEI:

Como sou fascinada por história, e pela História do Brasil imperial, sou até suspeita para comentar. Mesmo assim, não posso deixar de falar sobre mais um livro lido sobre o incrível e chocante triângulo amoroso, o mais famoso da história brasileira...



Como outro triângulo amoroso fatal e chocante (entre Euclides da Cunha, sua mulher Ana e o jovem Dilermando de Assis), esse aqui também é fascinante e comovente.

A vida de D. Pedro I é uma miscelânea de contradições e choques. Ao mesmo tempo leal e desleal, cavalheiresco e grosseiro, amoroso e cruel, bom pai e bom filho, mas péssimo marido (ao menos no primeiro casamento), amigo valoroso e inimigo mesquinho, a pessoa do nosso primeiro imperador é incrível, quase bizarra.
 
Um rapaz criado praticamente às soltas, sem uma educação esmerada, contudo era inteligentíssimo, tinha uma mente afiada e não havia habilidade manual ou intelectual que fosse difícil demais para ele. Compunha, tocava piano, escrevia, cuidava às vezes pessoalmente dos seus cavalos, administrava o governo, lutava, enfim... Era uma inteligência multifacetada...

E quanto às leis do coração? Aqui é onde as múltiplas facetas de sua personalidade são mais aparentes. Gostava de Dona Leopoldina, a primeira esposa, mas à sua maneira. Ou seja, não tinha paciência para a sensível austríaca, uma moça tímida, recatada, avessa à festas e bulícios da sociedade. A jovem arquiduquesa apaixonara-se perdidamente pelo impetuoso português, naturalizado brasileiro, mas não conseguia sequer mantê-lo perto de si, já que D. Pedro era fogoso (em todos os sentidos) e estava sempre cavalgando pelo Brasil afora. Sem falar de sua proverbial luxúria, que o tornou famoso como conquistador, sedento de sexo e aventura.



 A atriz Maria Padilha, como Imperatriz D. Leopoldina, na minisserie da Rede Manchete, "A Marquesa de Santos"


Teve  inúmeras (bota INúmeras nisso!) amantes e a mais famosa e duradoura, foi a Marquesa de Santos, Dona Domitila de Castro Canto e Melo.

O Brasil, infelzmente, nunca fez um filme digno de nota sobre a vida de nossos imperadores (ou presidentes). Sobre o relacinamentode D. Pedro e a Marquesa, a Rede Manchete fez "A Marquesa de Santos", uma minissérie medíocre, se bem que contasse com bons artistas.


Gracindo Júnior e Maitê Proença: "A Marquesa de Santos"

O livro de Mary del Priore é bom, mas não tão profundo como eu imaginei. Muitos pontos foram deixados de lado e a narrativa não é romanceada, mas pode ser considerado um livro de pesquisa histórica. A bibliografia consultada foi extensa, e a autora é uma sócia titular do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro e da Academia Portuguesa de História. Os dados coligidos são precisos, e ela transcreve as várias correspondências entre D. Pedro e a Marquesa, e  a correspondência de D. Leopoldina com os parentes austríacos e a amiga inglesa, Mary Graham.


  A verdadeira Marquesa de Santos

 Um bom livro para quem quer entender um pouquinho mais da vida do primeiro imperador do Brasil, embora (na minha modesta opinião), o livro pudesse ser mais extenso, se abrangesse com mais detalhes as vidas de outros personagens tão importantes do primeiro império. Como por exemplo, D. Carlota Joaquina, D. João, José Bonifácio, o Chalaça, as damas de companhia da imperatriz, os príncipes do império, os filhos de D. Pedro com a Marquesa (a Duquesa de Goiás, por exemplo), vários dos ministros da época, etc.

Recomendo!


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente! Os bons comentários são os alimentos dos blogs...