25/03/2013

Kate Douglas Wiggin - Rebeca do Vale do Sol


Rebeca do vale do Sol - Kate Douglas Wiggin, lirismo e ternura

Inteligente, esperta, alegre e muito otimista é Rebeca. Contagia a todos que a conhecem com sua vivacidade e entusiasmo. Sendo de família de poucos recursos financeiros, vai morar com as tias Mirinha e Jane, para poder continuar os estudos. Porém, Tia Mirinha não aprova o modo de viver de Rebeca e aí as coisas se complicam...



QUE ACHEI:
Um dos meus primeiros infanto-juvenis, li quando tinha perto dos 12 ou 13 anos. Na mesma época, tinha lido "Clarissa" de  Érico Veríssimo, e algo entre as duas protagonistas, que dão nomes aos respectivos livros, é familiar. Talvez a ingenuidade da menina-moça, talvez a pureza dos primeiros passos em direção à maturidade. Talvez o mesmo tipo de família - classe média baixa, e todas as limitações impostas às suas vidas pelo destino.
Tanto Rebeca quanto Clarissa são meninas sonhadoras, gentis e otimistas. E da mesma forma, ambas anseiam crescer emocionalmente e mal percebem quando isso ocorre: No despertar do primeiro amor.


Rebeca vai morar com uma tia ranzinza e durona, que lhe impõe diversas regras de conduta e parcos recursos para estudos e compra de materiais e roupas. Lembro-me de ter ficado emocionada quando a menina, em certa altura, fala das roupas que é obrigada a remendar, dos calçados muito velhos e gastos que precisa usar e da severidade quase "nazista" de "Tia Mirinha". Entretanto, não se trata, como parecia a princípio, de crueldade da tia.
Depois de ter se formado, graças à ajuda de Mira, Rebeca reconhece o quanto devia à tia, pois ela fizera mais do que lhe fora exigido para auxiliá-la, e à sua mãe e irmãos.
Um livro terno e singelo, com uma história ideal para jovens de dez a quatorze anos, que ensina lições de vida, de abnegação e ternura.
Infelizmente, no Brasil não encontrei uma edição completa, apenas uma adaptação feita por Virgínia Lefreve, nos antigos livros de bolso das Edições de Ouro. Entretanto, sempre é possível encontrar em sebos ou mesmo pela internet.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente! Os bons comentários são os alimentos dos blogs...