23/02/2013

Resenha - Escravos da Paixão

Um romance de época retratado no início do século XIX, tendo como cenário o interior do Brasil colonial, ainda pouco civilizado e escravista.

Prisciliana Taques é uma moça típica da época, única filha de um rico senhor de engenho escravocrata. Por sua bondade, é contra as crueldades infligidas aos negros, colocando-se numa situação complicada ao invadir a senzala a fim de socorrer Crispin, escravo e irmão de sua fiel mucama, que estava sendo severamente castigado pelo feitor Francisco, braço direito de Horácio Taques.

O pai, para controlar a rebeldia da filha, a obriga a se casar com o filho do Marquês de Suassuna, seu vizinho, porém Prisciliana se pensa apaixonada pelo primo pobre do Marquês, o português boa-pinta Miguel.

Escravos da Paixão é uma história que engana pelas aparências e mostra vilões e mocinhos atípicos, sofrendo uma reviravolta pela metade do livro. A começar pelo galanteador Miguel, terminado com o obscuro e cruel feitor de engenho sr. Francisco.

Há drama, ação, romance e cenas 'hot' devidamente dosadas em medidas certas e nada excessivas.

°°°Meu achismo°°°

O Amor é Força Transformadora.

Bem, eu achei a trama muito bem construida e os personagens convincentes, todos agindo de acordo com as personalidades determinadas. O drama vivido pelo Sr Francisco ficou de acordo com a personalidade dele, foi algo visceral porém devidamente controlada. A Prisciliana é uma personagem apaixonante. O pai dela fez bem o típico homem da época que, na frieza da "boca-pra-fora" prefere a morte à desonra, mas no momento da morte desabrocha sua humanidade. Até mesmo Crispim, que tão pouco apareceu, se mostrou um personagem profundo.

Apesar de tratar de escravismo, violência e morte, nem de longe a história é sombria. Infelizmente, a História do nosso país é trevosa por natureza e o escravismo, exercido aqui com muita brutalidade, é uma chaga que carregaremos ainda por muitos séculos, pois ainda pagamos por aquilo que foi feito... afinal, hoje ainda não somos escravos? Ainda não recebemos as chibatas no couro e vira-e-mexe somos mandados ao pelourinho? A diferença é que muitos de nós não somos mais aflingidos na carne, mas moralmente, o que costuma ser muito pior, pois leva mais tempo para cicatrizar e, em certos casos, nem a morte cura.

Portanto, ao meu ver, a trama trata sim de amor, de liberdade, de sonhos, de esperanças, mesmo que esses sonhos e esperanças sejam alicerçadas sobre uma tragédia, uma tristeza, afinal, a vida é trágica e nada nem ninguém tem um final feliz.

Maaaas, Escravos da Paixão TEM um final feliz! E a história é linda.

°°°Detalhes°°°
Autora: Jossi Borges - jossiborges@gmail.com
Ebook: formato PDF - 91 páginas
Gênero: Romance histórico e romântico.
Preço: R$ 10,00
Compre pelo email da autora ou pelo site.


Sinopse oficial:
Sul do Brasil, 1810
Prisciliana é a filha de um senhor de engenho, e vive sua vida pacata cercada pelos familiares e escravos que são propriedade de seu pai.
Envolvida pelas doces palavras de um jovem português, ela não imagina que o destino lhe preprara não apenas uma decepção, mas também uma surpresa maravilhosa... Miguel, o jovem lisboeta, é quem leva Prisciliana a desejar o amor, e depois, a sofrer por ele...
Porém, há outro homem - o cruel feitor de escravos, Francisco - que surge na vida de ambos, e sem saber, Prisciliana passa a debater-se em dúvidas. Pois tanto quanto a repulsa, Sr. Francisco também lhe provoca estranhos sentimentos... estranhos desejos...
Qual desses homens trará a verdadeira felicidade para o coração apático e sofrido de Prisciliana? Ela poderia entregar-se de corpo e alma a Miguel? Ou teria o maligno Francisco algum tipo de magia em seu poder, para fazê-la pensar nele... sonhar com ele... e desejar entregar-se a ele, com luxúria e despudor?

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente! Os bons comentários são os alimentos dos blogs...