02/02/2006

Abade Prévost - Manon Lescaut

Manon: charmosa beldade, encarnando todas as imperfeições e perfeições do espírito feminino

Antoine François Prévost, também conhecido como Prévost d'Exiles ou Abade Prévost, (Hesdin, 11 de abril de 1697 — Courteuil, 23 ou 25 de novembro de 1763) foi um escritor francês, famoso sobretudo pela Histoire du Chevalier des Grieux et de Manon Lescaut, publicada em Amsterdã em 1731 como sétimo e último volume das Mémoires et aventures d'un homme de qualité qui s'est retiré du monde.

O Abade Prévost geralmente não é visto como um dos gigantes da literatura francesa; ninguém o coloca no mesmo pedestal que um Victor Hugo ou um Honoré de Balzac. No entanto, uma única obra sua, a Manon Lescaut, se imortalizou graças às óperas de Puccini e Massenet, e rendeu vários filmes e até mesmo telenovelas de televisão. Para alguns, como o escritor francês Guy de Maupassant, ela encarna o eterno feminino. 

Eis como Maupassant se exprime: Eis Manon Lescaut, mais verdadeiramente mulher que todas as outras, ingenuamente descarada, pérfida, amante, perturbadora, espiritual, temível e charmosa. Nessa figura tão plena de sedução e de instintiva perfídia, o escritor parece ter encarnado tudo que há de mais gentil, de mais envolvente, e de mais infame no ser feminino. Manon é a mulher por inteiro, como ela é, sempre foi, e sempre será. No entanto, este pequeno hino em louvor à canalhice não convence todo mundo; da mesma forma, poderíamos argumentar que a Virgem Maria representa o "eterno feminino". (Fonte: wikipédia).



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente! Os bons comentários são os alimentos dos blogs...